Pages

quarta-feira, dezembro 15, 2010

The Pale Blue Dot

Nós humanos nos achamos tão grandes, alguns crêem que somos a única forma de vida existente em toda a galáxia porque, bem, somos humanos, seres extremamente desenvolvidos e evoluídos que construíram praticamente tudo o que existe. Quão furada parece a teoria de que nós estamos sozinhos ao vermos uma imagem como a ao lado? Sim, esse insignificante ponto é a Terra . 

domingo, novembro 21, 2010

Crianças Moderninhas

Crianças moderninhas me afligem, justamente porque elas são a metáfora que simboliza o fim da infância como conheci, onde essas inúmeras tecnologias eram substituídas por interação com outras crianças da minha idade.

domingo, outubro 24, 2010

All WE need is love


Enquanto as propagandas de pasta de dentes  proferem que pegar qualquer um na balada é o melhor jeito de se viver a vida, existe o extremo oposto, que podemos julgar de acordo com nossas experiências. Existe algo na beleza de namorar que o ser humano nem sequer imaginava que necessitava antes de tê-lo. 

domingo, outubro 10, 2010

Idiocracia



O filme IDIOCRACIA trata-se de uma sociedade onde todas as pessoas inteligentes parecem ter morrido, deixando na Terra só seus filhos idiotas. A sociedade é marcada pelo consumismo e pela vulgaridade, utilizando sexo como publicidade, programas extremamente idiotas sobre bundas  e o idioma inglês está deteriorado. A água foi substituída por um energético e eles têm problemas com o lixo. O conceito do filme é engraçado, uma ótima dica, por sinal, mas nos faz pensar: será que já não estamos vivendo a nossa Idiocracia?

domingo, setembro 12, 2010

Pequenas misses: Qual o preço?



Qual o preço que essas crianças pagam para ter a tão sonhada fama e beleza superior que as mães e família tanto aspiram? Pequenas meninas extremamente maquiadas, com bronzeamento artificial, dentes clareados e sorrisos forçados para mim é o oposto de beleza; é assustador. Meninas têm que ser meninas, e não adultos em miniaturas.

domingo, agosto 22, 2010

Piada Eleitoral



2010, ano de eleição. Entre outras palavras: Começou a palhaçada. De primeira vista é cômico ver certas figuras na televisão no Horário Eleitoral Gratuito Brasileiro, mas o que quer dizer quando a maioria dos candidatos apelam para a palhaçada?

sábado, agosto 14, 2010

Machado de Assis, uma lição de vida.


Joaquim Maria Machado de Assis é mais que um nome conhecido por todos nós; cronista, contista, dramaturgo, jornalista, poeta, novelista, romancista, crítico e ensaísta, Machado virou historia, um ícone. 

sexta-feira, agosto 06, 2010

E aos negros: O secundário.


Não estou falando de carreira, mercado de trabalho, assentos no ônibus, ou qualquer um desses assuntos que nem cabem mais hoje em dia. O papel secundário, terciário, figurante dos negros hoje reside nos comerciais. Em todos os meios midiáticos, sendo mais gritante na televisão, o negro tem um papel quase inexistente nas campanhas publicitárias, por quê?

domingo, julho 18, 2010

Para onde foi a nossa MPB?



Sim, me refiro àquela que costumava ser sucesso nas décadas passadas e que hoje é um gênero quase quase e por um triz esquecido. Levando pelo pressuposto de MPB ser Musica Popular Brasileira, poderíamos dizer que ela mudou e confunde-se entre vários gêneros, sendo eles Pagode, Funk, Sertanejo (e todas as suas variáveis), Arrocha, Axé; já que são estas as que indubitavelmente fazem o maior sucesso.

segunda-feira, junho 28, 2010

Por quê nos interessa?





Quando você se insere no mundo dos livros, adquire simultaneamente um pensamento diferenciado já que rega a horta do pensamento. E à medida em que essa horta vai sendo regada, seu nível de cultura vai subindo e como consequência vem o questionamento. Você passa a estranhar, questionar e reprovar coisas que antes pareciam normais sem muita filosofia, mas que agora se mostram um tanto quanto absurdas quando olhadas pela lente da reflexão unida ao bom senso. Não que eu me considere um ser humano diferenciado, de Q.I inalcançável, um troféu para a minha família e conhecidos, nada disso. Mas unindo a cultura por mim adquirida a um pouquinho a mais de pensamento me faz indagar: Como revistas de fofoca podem sequer circular, pra que dirás fazer sucesso?

domingo, junho 13, 2010

Patriotismo de Copa

A tão esperada Copa do Mundo começou e quando saímos na rua somos bombardeados por camisas verde-e-amarelas, bandeiras do Brasil penduradas em janelas de carro, casas e afins. É bonito como parecemos tão perto um do outro por estarmos unidos pelo único interesse de o nosso país ganhar mais uma estrela em seu uniforme.

domingo, maio 30, 2010

O voto deveria MESMO ser obrigatório?

 O que importa, afinal, qualidade ou quantidade? Todos nós sabemos por experiência que quando somos forçados a fazer alguma coisa, não a fazemos tão bem feito como faríamos se fosse de nossa vontade. Raciocinando desse modo, por que obrigar pessoas desinteressadas a decidir o futuro de algo  tão grande como esse Brasil?

sábado, maio 22, 2010

Humor critico: Em falta na televisão brasileira.


Humor crítico é o que falta na televisão aberta brasileira.  Somos bombardeado somente com humor pastelão e novelas puramente românticas com enredo óbvio.  Nós,  telespectadores, somos carentes, entretanto, de algo que nos faça rir e pensar ao mesmo tempo, o que seria ótimo para alimentar reflexões  e fomentar  algum tipo de rebeldia.

domingo, maio 16, 2010

Em busca do lado Coca-Cola da vida

Enquanto você se esforça para ser um sujeito normal, existe o tão famoso e desejado “lado Coca-Cola da vida”, ele está aí, pronto para ser encontrado e vivido, e você não está nem tentando! Não te dá nem um pouquinho de vontade de sair da frente desse computador e ir para qualquer lugar que as pernas te levem? E você não sente nem um pouco de remorso de deixar essa oportunidade passar? Claro que às vezes os deveres nos chamam mais alto, mas existem horas vagas na agenda de qualquer pessoa. E tem gente aproveitando-as, sabe como? Elas estão indo para a praia, para aquele parque que tem em sua cidade e você nunca foi, para aquele restaurante que inaugurou semana passada, para aquele clube que você poderia ser sócio, vão à noite para aquela boate que você pode entrar mas nem se interessou, estão sentadas adimirando aquele mar pertinho da sua casa, estão caminhando e ouvindo música, estão aprendendo a tocar aquele mesmo instrumento que você já sonhou em dominar, estão em um campinho praticando algum esporte (aquele mesmo que você ia quando era criança). E não precisa sair de casa, ir muito longe, para vivê-lo. Os que alcançaram esse lado também estão inventando alguma receita nova e se deliciando com os erros e acertos, cantando sem mas e nem porquê, quando toca aquela música animada no computador eles levantam e dançam, usam o shampoo como microfone, estão
na piscina do playground do seu prédio, estão pulando encima da cama. O importante é fazer isso quando for possível, quando você estiver com aquela vontade de sair de onde está, mas falta a coragem. Levante e vá! E leve quem estiver em sua casa para se deliciar com esses pequenos momentos também. Apenas tente não encarar a vida tão sério assim, tudo depende de você, e mais ninguém. As pessoas felizes estão nos lugares onde é completamente possível que você esteja, lhe é permitido ir. Faça como elas, tente, vai mesmo desistir assim tão fácil? Levante, viva o lado Coca-Cola da vida.

sábado, maio 01, 2010

Despindo-se; sua primeira vez.

Seu coração batia loucamente, de maneira tão forte que parecia saltar do peito, suas mãos suavam e estavam completamente geladas, a angúsita a atormentava. Caminhava a passos largos e temerosos em direção à casa dele, para entregar-se pela primeira vez. Havia dentro de si um pouco de dúvida, seria essa a decisão certa a ser tomada? Estaria ela pronta para um passo tão grande? Chegando a seu destino bateu à porta, tremendo quase convulsivamente. Após uma eternidade de uns segundos ele abriu a porta, e pareceu encará-la confuso, ela bem sabia que não era esperada ali, ou sequer bem vinda. Sua voz estava rouca e trêmula, quando abriu a boca:
-Eu não conseguiria passar dessa noite sem lhe contar - gaguejou com uma voz que não era sua - Por favor não me interrompa, eu só quero desanuviar a tempestade que tem habitado o meu peito.
Tomou fôlego por um instante, enquanto ele estava ali, parado na soleira, perturbado. Então ali mesmo na rua, sob o testemunho da lua cheia e prateada, ela começou a despir-se, pela primeira vez na frente de um homem:
-O meu amor por você levou minha identidade, meu bom-senso, minha auto-estima, minhas noites tranquilas antes de dormir, arrancou de mim meu jeito despudorado de agir na sua frente, comeu os minutos onde eu não pensava em nada, extinguiu minha vontade de morar em um lugar bem longe da cidade, tirou meu desejo de morar sozinha em qualquer lugar, mudou minha resolução de ano novo e todos os meus pedidos de aniversário, roubou meu retrato e eu nem sei mais que sou, porque de mim foram tirados qualquer vestígios do meu eu, pôs fim à minha liberdade de não ligar para o que pensavam de mim.
E cada parte da sua angústia ia sendo despida, juntando-se aos pedaços da sua essência jazidos no chão. Ele a encarava petrificado. E ela continuou se despindo:
- O amor anulou minha vontade de viver sem você, e mais importante: levou o meu medo da morte, se a mim for prometido ao menos algum tempo ao seu lado.
Ofegava como se tivesse corrido uma maratona, e encarava-o sofregamente. Então dos lábios dele, de seu ser amado e adorado, brotou um pequeno sorriso. E, para um amor que lhe havia tirado tantas coisas, essa foi a primeira entregue, fazendo tudo ter sentido. Para ela aquilo era o bastante; mesmo não parecendo tão intenso, era o começo de uma história. Ela mostrou-lhe o que havia embaixo da sua pele, arrancou suas vísceras e permitiu-o adentrar sua cabeça, e ele era sua recompensa merecida, seu troféu, seu tesouro mais precioso. Estava saciada agora.

sábado, abril 24, 2010

Amor

Como seria a figura semelhante à humana do Amor? Ele seria o que considerariamos feio, fugiria a qualquer padrão, e teria uma face até engraçada, porque toda a sua beleza não estaria na casca, vai muito além do alcance dos olhos. Ele também teria um quê de misterioso, convidando-nos a mergulhar fundo e conhecer sua história. Seria bastante impulsivo, e muito atento, analisando cada pessoa ao seu redor, e às vezes encantando-se por quem jamais antes havia visto. Alguns teriam medo dele, não iriam querer chegar muito perto, pois não iriam saber com o que estavam se metendo, e têm medo da dor que o amor em alguma hora irá causar. Ele é meio bipolar, umas vezes está feliz e depois bruscamente fica triste, e por vezes esconde-se em seu canto, esperando a hora certa de se mostrar. Isso é muito raro, não é para qualquer pessoa que ele aparece, apesar de não ser tímido; mas por precaução pede à sua irmã Paixão que vá primeiro, para quando esta não for mais o bastante, ele se mostre, apenas quando julgar necessário. Várias pessoas pensam que o vêem, mas é só ilusão, pois ele é meio que um troçador vem e desaparece em um instante, mas ele não faz por mal, em sua cabeça, ele faz o que quiser. Acho que isso se dá pelo fato de ele não ser muito esperto. Se ilude muito fácil também, qualquer coisa que lhe prometem, ele acredita, deve ser sua inocência em excesso; no fundo ele é uma eterna criança. E ele garante que não tem tempo para aparecer e desaparecer, não é só amor os que duram para sempre, até mesmo os que não duram mais que uma semana podem ser amor, só que do tipo passageiro. Em alguns casos ele tem que ir embora mesmo querendo ficar, e isso faz com que ele fique recluso por um bom tempo, inseguro. Ele analisa o coração de seu alvo para ver se ele está limpo, pois tudo estraga em um ambiente sujo. Se um dia você estiver andando e encontrá-lo, não irá reconhecê-lo de imediato, mas permita-o chegar um pouquinho mais perto. Eu garanto: Ele irá surpreedê-lo.

sábado, abril 17, 2010

Sempre em nossos corações, descanse em paz, meu querido avô.

Quarta-feira, dia 14/04/2010, faleceu a pessoa mais batalhadora que eu já conheci e irei conhecer. Meu avô, sem dúvida um guerreiro, um touro por natureza. Cursando até somente a quarta-série do Ensino Fundamental, conseguiu construir um império, e o objetivo de dar a seus filhos uma vida diferente da sua foi alcançado com êxito. Sempre foi um segundo pai para mim, já que eu passava muito tempo em sua casa, eu e meus primos. Só consigo me lembrar de meu avô como uma pessoa alegre, não que ele fosse sempre assim, mas era o único jeito que eu o enxergava. Sempre com orgulho de mim, me exibindo para os outros e dizendo: "Essa daqui é a minha netinha". Ele sempre foi praticamente o dono no bairro, era a referência, não tinha sequer uma pessoa que não o conhecesse, e o adimirasse. Segundo o médico, meu avô foi o paciente mais guerreiro que ele já conheceu, e eu sinto extremo orgulho dele por conquistar esse título. No velório, eu não conseguia acreditar que uma pessoa outrora tão cheia de vida, estivesse deitada de olhos fechados dentro de um caixão. Olhava seu rosto pálido, emergido em um mar de flores amarelas, e ficava esperando que ele abrisse os olhos, e tudo não fosse nada além de um terrível engano. Eu o encarava, mesmo com a visão embaçada pelas lágrimas, e esperava abrir os olhos e dar aquela risada que eu ouvi minha infância inteira, aquela alta, que saía com tanto gosto que ele até inclinava a cabeça para trás. Eu rezava baixinho, pedindo a Deus que soprasse uma lufada de vida, que deixasse aquele coração voltar a bater, ele não merecia algo tão ruim como a morte. Não conseguia entender como alguém tão grande coube em uma caixa de madeira do tamanho de meus braços abertos, eu sempre tive que olhar para cima para vê-lo, e agora olhava para baixo para contemplar seus olhos fechados e expressão serena. Sua boca estava caída, faltando a dentadura que ele me meteu susto durante muitos anos, que ele tirava da boca de propósito para me ver sair correndo e gritando. Acho que esses pensamentos não eram só meus, acredito que muita gente que estava ali também não acreditava como alguém como meu avô poderia estar morto, era simplesmente surreal. Ele era o tipo de pessoa inesquecível, de tanta energia. O padre falava e eu não consegui ouvir uma palavra sequer, em minha cabeça estavam passando vários fragmentos de minha vida junto a ele, tudo o que eu poderia ter dito e não disse. Acho que o mais injusto da morte é você não ter a chance de se despedir, de dizer o último adeus, de dizer algo que realmente faria a diferença. Agora ali estava ele, a expressão do seu rosto parecia que tinha sido um alívio repousar depois de tanta dor. Era o que todos me falavam, que ele estava em um lugar melhor agora, descansando em paz. Mas não era possível, em que outro lugar ele seria feliz assim tão distante de nós? Ele era feliz aqui conosco, era sim, ele não queria ir para lugar nenhum, ou ele não teria lutado tanto. Lembro quando ele estava já doente, fazendo o maior esforço para mover a parte do corpo paralisada pelo AVC. E em um breve espaço de tempo ele já estava andando pela casa de muleta, falando um pouco embolado e entendendo tudo. Foi um progresso enorme e até inesperado. Enquanto isso tudo passava pela minha cabeça, o padre já tinha ido embora e estavam fechando o caixão, eu o olhava tristemente, aproveitando cada segundo para adimirar seu rosto agora tão diferente do que estava em minhas memórias. Minha avó também não queria que o caixão fosse fechado, e debruçando-se sobre ele deu seu último beijo, foi a cena mais bonita e ao mesmo tempo mais incrivelmente triste que eu já vi.Quando o caixão foi fechado, eu percebi que jamais o veria novamente, e a realidade me acordou como um tapa, extremamente doloroso. Eu só queria acordar e perceber que era tudo um sonho. Várias pessoas me consolavam e me abraçavam, mas eu não ouvia nada, nem sequer as reconhecia. A marcha fúnebre até o cemitério começou, e iam meus tios segurando o caixão, e eu atrás, não querendo perder nenhum segundo com meu avô, queria mais uma lembrança dele, mesmo que triste. Estava uma chuva incrivelmente forte, várias pessoas me ofereceram guarda-chuvas, mas eu recusei. O que eram alguns pingos gelados enquanto à minha frente eu via um caixão com meu avô dentro? Eu nem sequer os sentia, estava simplesmente fixada naquela caixa que continha uma vida inteira. Quando eu puder falar com Deus, perguntarei se o céu também fica triste quando alguém morre, e por isso ele faz chover. Então colocaram 67 anos de vida dentro de um buraco em uma parede. Como eles podiam guardar uma vida dentro de uma gaveta, como se guarda um lápis ou um lenço? Era meu avô que estava ali! Eu assistia assustada e em estado quase de transe eles selarem o buraco com cimento e pregaram uma placa com data de nascimento e morte, sempre amado por filhos, amigos e familiares. E em um pequeno quadrado na parede estava meu segundo pai, aquele que sempre brincou, brigou para me educar, batalhou na vida, se ensinou muitas coisas, e fez um ótimo trabalho educando seus filhos. No final, todos batemos palmas, era o mínimo que ele merecia. Palmas por ter desempenhado um papel fundamental na vida de todos ali presentes. Ele era muito mais do que qualquer um poderá imaginar, era meu avô. Que ele tenha o merecido descanso, após resistir tanto contra a doença; talvez ele tivesse mesmo muito cansado. Seu rosto nunca se apagará de nossos corações, e um pedacinho da vida de cada um de nós foi tomado. Onde quer que meu avô esteja agora, eu sei que continuará se preocupando com todos, como sempre fez. Daqui a alguns anos nos encontraremos de novo.
                            Germínio Virginio Marques da Conceição.
                            29/11/1943 - 14/04/2010
                                                                   Descanse em paz.   

sábado, abril 03, 2010

E eu?

Ali está uma garota que sente-se minúscula em relação a tudo o que há no mundo, sentada na calçada abraçando seus joelhos. Ela está esperando por algo que não sabe nem o que é, talvez sejam seus sonhos que constantemente a enganam.

domingo, março 28, 2010

Era uma casa muito engraçada...

Era uma casa muito engraçada, não tinha teto, não tinha nada, e dentro dela apertavam-se seis crianças com braços finos e joelhos ossudos; com um olhar que delatava o quão cedo elas tinham deixado sua infância.

sábado, março 20, 2010

Eu sei que não é fácil.

Se você é tão esperta, por que está com medo? Vá um pouco devagar, desacelere um pouco o ritmo de seu coração; você ainda tem muito tempo. Isso, você está indo bem; no momento tudo parece tão romântico, pena que ele não sabe como você é conturbada. Mas foi bom conhecer alguém novo, só para variar.

sábado, março 13, 2010

Como você vê a vida passar?

Sempre tem alguém que nos diz que estamos numa fase ótima, e que daqui a alguns anos irá piorar; independentemente de que fase você esteja vivendo, sempre irá ouvir algo do gênero.

sexta-feira, março 05, 2010

O Homem Máquina


Às seis horas da manhã acorda o homem máquina, e dirige-se automaticamente para o banheiro onde fará sua higienização. Num ritmo pré comandado e usado todos os dias, ele toma seu café da manhã enquanto lê o jornal e finge interessar-se com o que sua esposa diz.

sábado, fevereiro 27, 2010

Por que tão sério?

Você mudou? Então isso quer dizer que você está mais maduro, mais culto, tem voz firme e não se abala facilmente.

sábado, fevereiro 20, 2010

Promessas de não crescer.

Ali atrás daquela mesa há, sentada num canto, uma menina, que chora enquanto seus pais vão para o trabalho e a deixa sozinha com a irmã mais velha. Em seus braços tem uma boneca de pano, com caracóis loiros de anjo e sorriso interminável; seus olhos de botões são os únicos que reparam e compreendem o sofrimento da criança.

terça-feira, fevereiro 16, 2010

Arrependimento tardio.

Pedira para ser auxiliado em casa, preferia morrer onde sempre tinha vivido. Isso mesmo, morrer, sabia que o seu útimo batimento estava por vir a qualquer momento.

quinta-feira, fevereiro 11, 2010

É melhor não ser um normal.


É melhor ficar de bobeira, falar besteira, sorrir do nada, plantar bananeira. É melhor distanciarmo-nos da vida rotineira; ser exeção, ninguém se lembra dos normais.

sábado, fevereiro 06, 2010

Metidez?

Por que quando somos bons em alguma coisa somos obrigados a nos desculpar por isso? Quando alguém nos elogia, por que temos que fingir que não foi nada demais, quando na verdade foi?

terça-feira, fevereiro 02, 2010

Detentos.

Somos por natureza detentos, não importa de quê, é involuntário. Somos detentos sem querermos ser, mas também não conseguimos escapar das nossas prisões.

domingo, janeiro 31, 2010

Almas.


 
Por trás de nossa pele há algo complexo, por que é tão difícil 
que se interessem por isso?

sexta-feira, janeiro 29, 2010

Seja-se

 

Ei, você, apareça.

Decrescendo.




Quando se muda de década, século ou milênio os valores mudam. Os costumes não são mais os mesmos, algumas palavras aparecem, outras somem, algumas sofrem mudanças. E as coisas do século XX para o século XXI mudaram bastante; para pior.

terça-feira, janeiro 26, 2010

domingo, janeiro 24, 2010

Dia a dia: Hipocrisia



Chegou em casa tropeçando, por seus poros exalava o cheiro de álcool, já era de manhã e a família estava tomando café na sala; cumprimentou a todos com a voz embolada e foi direto para o quarto.

quinta-feira, janeiro 21, 2010

Sim, você pode.






Todos nós nascemos com asas invisíveis que nos permitem voar. Alguns descobrem que têm asas cedo, outros levam mais algum tempo; uns descobrem tarde demais.

terça-feira, janeiro 19, 2010

Gente como a gente.



Eu nunca entendi essa "loucura" por celebridades que várias pessoas tem. Colocam-as em patamares tão altos que os reles mortais não podem sequer aspirar chegar perto, são intocáveis.

segunda-feira, janeiro 18, 2010

Escolha profissional; o Sentir e o Saber.



Ter facilidade com uma coisa, não é amá-la. Você pode ter facilidade em Matemática e amar Biologia; quando todos verem sua capacidade de dobrar a matéria, que você é o(a) melhor aluno(a) de matemática da sala, ganhou prêmios em Olimpíadas Nacionais vão dizer: Ele(a) vai fazer Engenharia.
Page copy protected against web site content infringement by Copyscape É terminantemente proibido copiar os artigos deste blog.
Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do código penal. Conheça a Lei 9610
.